Organização Mundial da Saúde: Reavaliação de práticas médicas no parto e combate à violência obstétrica


GUIA DE ESTUDOS

Toda mulher tem direito a ter um pré-natal de qualidade, e este é um direito que visa à saúde e ao bem-estar não apenas da mulher, mas também da criança, porém não é isto que acontece em muitos dos casos. A violência obstétrica é a injunção de intervenções danosas à integridade física e psicológica de mulheres praticadas por profissionais que as atendem, bem como o desrespeito a sua autonomia. Em todo o mundo, muitas mulheres sofrem abusos, desrespeito e maus-tratos durante o parto nas instituições de saúde. Tal tipo de tratamento não apenas viola os direitos das mulheres ao cuidado respeitoso, mas também ameaça o direito à vida, à saúde, à integridade física e à não-discriminação.
Desse modo, a Organização Mundial da Saúde tem por objetivo desenvolver ao máximo o nível de saúde de todos os povos, sendo a saúde definida como um “estado de completo bem-estar físico, mental e social e não consistindo somente da ausência de uma doença ou enfermidade”. Com este propósito, a OMS convida os(as) delegados(as) a debater o assunto, almejando estabelecer projetos os quais tornem possível reduzir os casos de violência obstétrica em todo o mundo.



Diretores

Alexander Ferreira Pires Jr

Adriana Fernandes Basilio

Olá!
Sou Adriana Fernandes Basilio, tenho 23 anos e é com grande satisfação que mais uma vez participo desse modelo. Esta será minha quinta (e última!) edição no MIRIN depois de 3 Direções e uma Coordenação Acadêmica. Já participei de outros modelos, porém, é sempre um prazer retornar para aquele que me apresentou à Modelândia. Tenho grandes expectativas para o tema que trataremos na Organização Mundial da Saúde, um assunto tão importante e sensível, mas tantas vezes minimizado e, até mesmo, negligenciado. Além disso, também tenho grandes expectativas para o Coffee Break, uma das horas mais aguardadas por esta diretora! Brincadeiras à parte, espero que xs senhorxs se envolvam, gerem interessantes discussões e aproveitem esse comitê preparado com tamanha atenção pelos seus diretores. Até Julho!

Maria Carolina Soares

Felipe Silva

Olá aos futuros delegados. Meu nome é Felipe Silva, sou estudante de comunicação na instituição PUC RIO, tenho 19 anos e esse será o terceiro comitê de que participo, o primeiro como diretor. Eu entrei no mundo de modelos escolares de paraquedas no segundo ano do ensino médio, mas nunca me arrependi, o aprendizado e as pessoas que conheci nele fazem de todas as simulações uma experiência de vida. Espero ver uma discussão muito boa acerca do tema. Estou feliz de poder compartilhar essa experiência com todos vocês e nos vemos em julho.

Alexander Ferreira Pires Jr

João Valera

Prezados delegados,
Me chamo João Valera, possuo 23 anos e atualmente sou aluno do curso de Direito. Esse ano, participarei da Organização Mundial da Saúde com muita satisfação. Aguardo ansiosamente a presença dos senhores.

Maria Carolina Soares

Lucas Ferreira

Olá, Senhores Delegados! Me chamo Lucas Ferreira, tenho 20 anos e estou no 4º período de Relações Internacionais. Já participei de algumas simulações sendo Delegado, e é com grande prazer que participarei de meu segundo MIRIN, sendo esta a minha primeira participação em modelos diplomáticos como Diretor. Tenho certeza que o XIV MIRIN será uma experiência incrível para todos nós, por se tratar de um tema bem interessante, o qual nos fará abrir discussões muito enriquecedoras.

Alexander Ferreira Pires Jr

Mariana Holst

Olá, senhores delegados. Meu nome é Mariana Holst Rego, tenho 19 anos e curso Relações Internacionais na PUC-RIO, onde estou no quarto período. Comecei a participar de simulações apenas no ano passado, no XIII MIRIN. Como sou uma novata sendo diretora, isso torna as coisas ainda mais empolgantes. Espero que tenhamos uma boa convivência, que o tema interesse tanto aos delegados quanto me interessou e que possamos fazer os melhores debates. Até o XIV MIRIN.